Skip to content

Reporte I – Entrando na Fortaleza Ferrocaído

2010/10/26
tags: , ,

Observações: Como havia citado anteriormente, a campanha já está em andamento e irei publicar o primeiro reporte como se fosse um relato de somente os fatos decorridos na seção, sem explicar ou introduzir os personagens, suas motivações ou objetivos, tudo isso será explicado nos posts a respeito dos personagens e no “Reporte 0” que será publicado, resumindo os acontecimentos anteriores.

REPORTE I

ENTRANDO NA FORTALEZA FERROCAÍDO

Personagens dos Jogadores:

Scorpion, Artífice – Revenante
Krisiun,  Bárbaro – Forjado Bélico
Delfron D’Sant , Sacerdote Rúnico – Revenante
Soveliss Silvanesti,  Lâmina Arcana – Eladrin

Personagens do Mestre:

Olthar, Assassino – Tiefling
Heian Galanodel, Bardo – Meio Elfo


Após terem sido atacados pela a patrulha da Rainha do Deserto no caminho de Dunesand até as Minas Perdidas de Karak, o grupo formado por Delfron, Olthar, Heian, Scorpion e Krisiun resolvem montar acampamento para se protegerem contra o clima rigoroso e cruel do Agreste Espinhoso, próxima a uma região rochoso não muito longe de onde estavam. Mas enquanto Scorpion, Delfron e Krisiun estavam montando o acampamento e discutindo a respeito da divisão dos espólios da batalha o acampamento percebem uma conversa estranha entre os dois novatos do grupo e quando questionados por Delfron a respeito do que estavam falando, eles dizem que resolveram ir até um posto avançado anão que Heian alegava conhecer na região e coletar certas informações e iriam alcança-los em um dia de viagem e assim partiram, levando um dos exóticos Lagartos de montaria do grupo.

Tudo parecia tranqüilo naquele começo de noite, Krisiun estava de guarda como de costume, enquanto Scorpion já estava caido em um profundo sono, quando Delfron se levantou da tenda dizendo a Krisiun, que havia escutado um chamado divino e teria de realizar um pequeno ritual naquele exato momento, mas o mesmo não acabou por dar muita atenção nisso, até que começou a ver o relampejar intenso de luzes multi-coloridas surgindo no meio do deserto bem na direção onde Delfron tinha ido, logo em seguida em meio aquele jogo de luzes sobrenatural, uma forte luz branca irrompeu, parecia que a noite havia se tornado dia por alguns segundos e Scorpion acordou em intensa agonia, parecia que uma parte da sua alma estava sendo destruída por aquela estranha manifestação luminosa. Foi quando a noite voltou a ser a noite em que um vulto sombrio podia ser visto claramente em meio ao deserto, caminhava lentamente em direção ao acampamento dos aventureiros, prontamente Krisiun sacou o seu fiel Machado e disparou contra o vulto, imaginando que poderia ser um inimigo que tivesse atacado Delfron, mas para a sua surpresa, no momento em que iria desferir o seu violento golpe parou e conteve-se, ouviu uma voz familiar até que percebeu as sombras se dissipando um rosto com feições conhecidas ia surgindo, era Delfron, mas com uma aparência muito mais sombria e mórbida do que já tinha, ele explicou ao furioso bárbaro que a sua mudança de aparência era apenas uma conseqüência do ritual que havia feito, mas que ainda era o mesmo. Além da aparência distinta percebeu que agora um estranho corvo negro repousava no ombro do sacerdote.

Após o espetaculo pirotécnico, todos os heróis já devidamente recuperados de seus choques, voltaram ao acampamento e descansaram para partir com vigor suficiente para partir para outro dia árduo de viagem em meio ao Agreste Espinhoso. E assim se manteve por mais outros dias, apesar de Scorpion parecer mais fatigado do que habitualmente eles conseguiram cobrir uma boa distância em meio ao deserto, montados em seus lagartos e na noite do terceiro dia de viagem, após terem saído de Dunesand, encontraram incrustada em uma escarpada de 15m de altura, um pequeno baluarte afundado no meio do deserto e castigado por eras de abandono e resolveram se aproximar para investigar, entretanto, quando mudaram o seu curso para direção ao baluarte um portal mágico surgiu na frente deles, nesse momento Scorpion disparou para longe do portal em desespero inacreditável atormentado por lembranças do passado e o temor do que iria sair dali, mas para a surpresa de todos era Soveliss que havia voltado da Agrestia das Fadas após o seu encontro com a Corte do Inverno, que também estava com a aparência diferente. Após terem de buscar Scorpion e avisa-lo que estava tudo bem e explicar que era apenas Soveliss que havia voltado e não Asmodeus que havia saído dos Nove Infernos, o grupo finalmente reunido adentrou no baluarte. Logo que entraram perceberam a deterioração do lugar, escombros para todos os lados, paredes semi-caídas e habitadas por colônias imensas de mofo e fungos, além de um cheiro de podridão dominante, entretanto no túnel de entrada encontraram pegadas que levavam para o interior do baluarte e uma grade levadiça no final do túnel, entretanto, quando se aproximaram para investigar uma outra grade levadiça desce e um grupo de Trogloditas embosca o grupo de heróis e um combate intenso começa a ser travado, os heróis conseguem sair da área de emboscada e subjugam um dos grupos de Trogloditas enquanto afugente o outro que se embrenha em meio aos sinuosos corredores da fortaleza. Após revistarem os corpos dos Trogloditas para fazer pilhagem e buscar informações, os heróis rumaram para o interior do baluarte, passando pelo o túnel de entrada e chegando em um pátio aberto, sustentado por algumas pilastras, eles resolvem investigar um banco de areia que havia no lugar e ao se aproximarem vêem um criatura monstruosa se erguendo, era um Rastejador de Carniça que investiu contra os heróis. O fulgor do combate foi tão intenso que acabou por atrair algumas Harpias que tinham seus ninhos nas proximidades e que se juntaram ao combate, mas mesmo com essa desvantagem os heróis não se acuaram e se manteram na ofensiva contra os inimigos e conseguiram supera-los até com certa facilidade, graças ao apóio de Soveliss que havia se recuperado um pouco do seu enjôo devido a viagem planar.

Após superarem mais um grupo de inimigos os heróis se encontram num dilema, haviam três portas que poderiam escolher, uma delas provavelmente iria leva-los para a Guarda Oeste, onde o grupo de Trogloditas havia escapado, as outras duas não sabiam para onde poderiam leva-los, eles resolveram tomar a porta da frente e logo que adentraram logo percebem o forte cheiro de podridão mais intenso do que os outros lugares do baluarte e a sala inteira com várias estranhas árvores cinzas, além disso eles encontram um grupo de humanos bandidos e um feral dente alongado e no final do salão uma bela Eladrin sentada em um trono e segurando o corpo morto de uma figura que os heróis reconhecem como Lhoto, Líder do Vilarejo de Dunesand que auxiliou o grupo na sua estadia no vilarejo, tomados pela a fúria e pela sede de vingança os heróis partem para o assalto contra os asseclas da Senhora Eladrin, que apesar de suspeitarem, não acreditam que seja a Rainha do Deserto. Após exterminarem por completo o grupo de asseclas eles se preparam para combater a Senhora Eladrin, mas antes do engajamento Soveliss conseguiu ver através do véu de ilusão de a cobria, revelando assim a sua verdade identidade: a de uma Driade! Ao descobrirem isso, eles atearam fogo nas árvores que haviam no salão, devido ao seu conhecimento pré-existente desse tipo de criaturas e assim facilmente conseguiram subjugar a Senhora, mas não foram contaminados pelo o euforia da vitória e aproveitaram o momento para investigar onde realmente estavam e que lugar era aquele Baluarte, assim se dividiram e cada um começou a tentar buscar as suas próprias conclusões a respeito do local, Soveliss acreditava que aquele lugar era um Templo de Vecna e um local onde seus cultuadores se reuniam para realizar seus ritos macabros e recomendou que eles deveriam sair dali o quanto antes, já Delfron discordou dizendo que sentia uma forte energia do caos elemental pulsante naquele lugar, não conseguindo identificar o que fosse ao certo, mas ele passou a dar credibilidade ao medo de Scorpion e acreditou que mais alguma coisa havia saído do portal junto com Soveliss e finalmente por último, Krisiun percebeu a arquitetura anã do local e verificando o mapa que haviam recebido de Bram Ferrocaído que aquela era a Fortaleza dos Ferrocaídos, a mesma que guardava a Mina Perdida de Karak, mas se eles haviam chegado na fortaleza que protegia a mina, onde a mina se encontrava? Com conclusões distintas a respeito de onde estavam, o grupo resolveu procurar alguma sala mais segura no mesmo Salão e assim poderem descansar e discutir as suas teorias e estratégias melhor.

Anúncios

Iniciando o Diário de Campanha!

2010/10/24

Saudações a todos! Sejam bem-vindos ao diário oficial da Campanha Scales of War, para D&D 4th! Esse diário terá como função principal reportar os acontecimentos pertinentes nas seções de jogo, além de incluir informações a respeito da ambientação, os heróis e de NPCs importantes.

Mas antes disso, irei fazer alguns comentários pertinentes. Como já citei, essa é uma campanha de RPG jogada no sistema D&D 4th, que está sendo jogada a cerca de um ano e o diário de campanha já estava no plano muito tempo atrás, mas só agora estou colocando-a em prática. Outro detalhe importante é que o nome Scales of War, deve ser conhecido por vários outras vários fãs de RPG, já que é a mesma campanha homônima que foi publicada na revista Dungeon, publicada pela Wizards of the Coast, editora do D&D, também creio que outros já devem ter jogado ela, mas para os que não conhecem irei fazer uma pequena sintetize no meu próximo post.

Bom pessoal, acho que não tenho mais nada a dizer nesse post de “estréia” do blog, mais detalhes a respeito de quem sou e da campanha serão postados logo em seguida então fiquem ligados!